Quem gostaria? poderia adiantar o assunto?

Peter Mayle sobre o Connaught Hotel – Londres
07/08/2006
Disque P para paciência
30/11/2006

Telefonistas formam uma confraria infernal com sua linguagem e aquele prazer sádico de informar que o ramal está ocupado.

Elas não chegam a se reunir para combinar novas torturas, mas possuem uma agilidade impressionante para absorver modismos e vícios de linguagem que se espalham por todo o sistema de telefonia.

À primeira vista, a intenção destas profissionais é a melhor possível, mas sua formação vem da imitação das outras operadores de PABX.

O problema está na própria cultura das empresas, enquanto o pessoal de vendas participa de reuniões para melhorar o atendimento ao cliente, a telefonista informa ao cliente que o vendedor não pode atender pois está em reunião!

As organizações podem começar a mudar este quadro informando às telefonistas que seu papel vai além de atender ao telefone, sua função é mais nobre, é ser uma ponte de comunicação entre pessoas, a finalidade do seu trabalho é facilitar o fluxo de informação com velocidade e correção.

As telefonistas podem se orgulhar ao descobrir que sua voz é a identidade verbal da empresa do outro lado da linha, todas as suas falas representam a organização para seus clientes, fornecedores e em muitos casos para a imprensa.

Deixe uma resposta